20 março, 2006

Ser ou não ser.

Hoje pela manhã, assistindo à reprise de "Falcão - meninos do tráfico" no Bom Dia, Brasil - a Globo adora repetir as matérias do Fantástico no Bom Dia, toda semana mostra uma - descobri que sou fruto da esquizofrenia de algum traficante. É que um rapaz disse, anonimamente - tudo na Globo é sempre feito anonimamente, começo a achar que é tudo uma minissérie televisiva - que "nós vive a realidade, onde a bala come e a lei é a do cão". Essa vírgula me intrigou bastante, juro que a notei na fala do rapaz traficante-ator, como que excluindo da realidade todas as outras possibilidades de vida. Só é real quem vive no morro. O resto é falso. Talvez, leitor, vivamos no mundo das idéias, do Platão, ou em qualquer outro mundo irreal. Talvez, em verdade, nem vivamos, capaz de sermos mesmo frutos de alguma mente esquizofrênica.
Melhor assim. Ia me sentir muito mal vivendo na realidade. Já imaginou, eu, em um barraco, dormindo no chão - ou, se muito influente no morro, em algumas folhas de palmeira imperial -, esquivando-me pelas esquinas, em fuga a qualquer espécime de bala perdida? Dou graças por não existir.
A única coisa que não me agradou na reportagem foi o choque inicial. Vocês o devem ter sentido, também. Num momento você está aí, vivinho da silva e, no seguinte, pimba!, descobre que nunca existiu. É demais pra minha cabecinha imaginária.

10 comentários:

Leandro disse...

Na verdade, mesmo, a gente nunca vai saber o que é "realidade", de fato.
Sou da opinião de que isso que temos por "real" é só um fruto do que acreditamos que seja real.

Leandro disse...

Ah, sim!
O Mundo das Idéias de Platão não é um mundo de pensamentos, é um mundo de perfeição, um mundo ideal.

Paulo disse...

Eu já sabia que não vivíamos na realidade "real" (redundancia cia cia cia) desde que assisti Matrix. É, o documentário do MV Bill (ou seja lá como se escreve isso) só fez confirmar que "a colher não existe".

Gustavo disse...

Bom, Leandro, era de se supor que o mundo das idéias fosse ideal, né? Pois bem, o mundo perfeito pra mim é esse em que vivo. Sou profundamente adepto da teoria de Voltaire, de que este é "o melhor do mundos possíveis" (dito pelo professor Pangloss em Cândido), embora possa parecer tolo.

Paulo, colheres existem, sim. Como é que as pessoas reais vão comer, se não com colheres (não diga "garfos", no morro a única fonte de comida é sopa)?

Leandro disse...

É verdade...
Mas a teoria do "melhor dos mundos possíveis" é do Leibniz. O Voltaire estava só avacalhando, não sem razão, eu diria.
Até mais.
Leandro

Gustavo disse...

Bom, isso aqui não é bate-papo, mas vou responder mais uma única vez (não gosto der ser visto como ignorante!):
Eu GOSTO de ver como uma teoria do Voltaire, que foi quem a popularizou. E adoro ver o Cândido se lascando todo durante todo o livro.
Mas, pombas!, este não é um blog sobre filosofia. E eu detesto filosofia, também. Um abraço, de qualquer forma. Continuo com no mundo das idéias.

Rafael MSM disse...

É mentira, você ama filosofia. Ou pelo menos filosofar. Enfim, gostaria de saber se isso implica que existem mais coisas além da minha realidade. Sempre achei que Bill Gates não existia mesmo, é muito nerd pra existir! =PPP

Caio disse...

O melhor do documentário foi o menino dizendo que que queria conhecer o circo, com uma escopeta na mão. Muito lindo, uma cena realmente singela. MV Bill me fez ter vontade de viver; estou de mudança para o morro. Adiós

Caio disse...

Um recado para Leandro - não leve a internet tão a sério cara.
P.S. Sim, meu comentário suprapostado foi irônico.

Anaemila disse...

Poxa... eu tive tanto medo daquele documentario... eu moro do lado de uma favela ne?